quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Sape, cão!


Era uma vez um cão com dono...
Era uma vez um gato sem dono...
- Quem vem lá? - pergunta o cão, de focinho no ar, a farejar, a farejar...
Claro que esta pergunta a fez ele muito antes de tudo isto começar - aí a uns duzentos metros desta história.
O gato não tem o faro tão apurado, mas os olhos dele atravessam a distância e pressentem sombras e ameaças, que só ele conhece. Por acaso, desta vez, o gato não ia a olhar para onde devia. Era um gato distraído. Ou míope.
Quando se lhe eriçaram os bigodes, já era tarde. À sua frente, de supetão, um cão cãozarrão, voz de trovão... Que aflição!
Foge!
Antes que lhe dissessem, já ele tinha fugido. As patas iam à frente, e ele com elas. Tal como nos filmes de desenhos animados.
Este filme é curto. Acaba numa árvore sem frutos, sem folhas, uma árvore mesmo a propósito para salvar gatos.
Correu por ela acima e não deu por que subia. Nem que fosse um pinheiro gigante, um mastro, um muro de castelo. Nem que fosse a Torre Eiffel... De unhas-canivetes-picaretas, com a pressa atarantada em que ia, o gato até era capaz de trepar à Lua, se houvesse escadas para lá chegar.
Ficou-se pelo cimo da árvore. Deu por isso quando lhe faltou o apoio. Sobravam-lhe forças para muito mais lances.
- E agora? - perguntou, lá de acima, o gato, engolindo ar.
Ele era preto, como o corvo da fábula, enquanto o cão, mal acomparado, fazia as vezes da raposa. Faltava apenas o queijo. E a manha.
- E agora? - perguntou de novo o gato, mais seguro do seu poiso.
- Agora fico à espera que a árvore dê frutos e os frutos caiam de maduros... - rosnou o cão.
Se nos ficássemos por aqui, esta história não chegava ao fim, o que era pena. Temos nós, portanto, de acrescentar o mais importante da fábula.
Sim, porque isto é uma fábula, a do cão, animal doméstico, e do gato, animal vadio... As conclusões, vocês que as tirem.
- Piloto! - chamou uma voz ao longe.
O cão Piloto fingiu que não era com ele.
- Estão a chamar-te, Piloto. Tens de ir - aconselhava-lhe, do seu poleiro, o gato. - Sempre ouvi dizer que os cães são muito obedientes.
- Piloto! - repetiu a voz, mais perto e mais impaciente.
O cão rosnou, levantou os traseiros e voltou a sentar-se.
- Piloto, venha já ao dono! - gritou a voz ameaçadoramente perto.
E o Piloto, de cabeça baixa, lá foi, suspirando...

Conto retirado do site http://kids.sapo.pt/descobrir/historias/historia_do_dia/artigo/sape_cao

Sem comentários:

Enviar um comentário